Limites
 

A colocação de limites acaba sendo um aprendizado aqueles que lidam com a educação infantil, seja eles pais ou educadores.Primeiro porque muitas vezes os adultos vão bater de frente com as suas próprias dificuldades em relação a limites.Por isso, especialistas em educação infantil acreditam que impor limites exige requisitos básicos. A paciência está entre eles. Os pais terão de falar várias vezes a mesma coisa até que a criança compreenda a regra do jogo.. Por isso é indispensável manter a calma.

Outro passo importante é ter consciência. A regra de hoje tem que valer para todos os dias, sem ser quebrada para não estragar um trabalho de limites.A criança aprende com exemplos, mais do que com palavras. Imagine hoje você fala que não pode, e amanhã ela fazer e você nem se importar?

A importância do brinquedo
 

Brincar é aprender. É também descobrir o mundo, os limites do corpo, afinar a afetividade e, por que não, encara as frustrações. Qual criança gosta de perder um jogo, ou ver o castelo de areia feito com tanto esforço desmoronar?Até os 9 meses de idade a criança deve receber brinquedos que ela possa pegar na mão e levar à boca. Afinal, é nessa fase que ela descobre que tem mão e boca, além do mais, é através da boca que ela descobre o mundo. Assim os brinquedos devem ser flexíveis, para não machucar a boquinha.

A partir do 10 º mês de vida, o bebê já tem outras necessidades,, podendo ganhar brinquedos que se movimentam como ela, João-bobo, cubos, carrinhos, etc.Quando começa a andar, o triciclo empurrado pelos pais é a melhor opção, também as casinhas de peças para encaixar.

A partir dessa idade, vão sendo acrescentados brinquedos que trabalham a brincadeira simbólica, o estado puro da fantasia. É hora do faz-de-conta, brincar de casinhas, oferecer pequenos fantoches, se divertir na areia, enfim, momentos onde a criança possa realizar suas construções.

Professor, pais...é preciso brincar muito com sua criança, não apenas observando seus progressos, mas também ensinando-o a ultrapassar os obstáculos, sem nunca fazer isso por ele.

Pensando em mudar a Educação?

Mas por onde devia começão?

O mundo é tão vasto!

Por meu país, que é o que eu conheço melhor?

Mas o meu país é tão grande!

Seria melhor começar pela minha cidade...

Mas ela também é muito grande!

E que tal a minha rua...

Ou minha casa!

Minha família!

Não importa professor, comece por você mesmo e verá os frutos que nascerão dessa sua iniciativa!

Vá em frente!!!

    

Mini conto
     Os gestos são escritas feitas no ar, e os sinais escritos, freqüêntemente, são simplesmente gestos que foram fixados no papel.
Mini conto
     O professor é como um andaime de uma construção de prédios: humilde, mas necessário também, na construção da vida, do mundo, da civilização.
Mini conto

A leitura é uma história sem fim, atrás das pegadas de algo perdido.

A magia não está em achar o que está perdido, e sim persegui-lo pela vida afora.

Computadores na Educação

          Os computadores são grandes imitadores. Com um número suficiente de informações sobre como um dado sistema funciona, atua da mesma forma como o sistema dito.

         Quando você trabalha com um computador, ele oferece muitos meios para ocupar a sua mente, até que as funções abstratas não deixem lugares para outros pensamentos. Por mais interessante que sejam, os computadores não podem e nem devem substituir o que há por de trás da teoria, como se deu a evolução, e como será que está irá evoluir.

         Quanto à idéia educacional x tecnologias, nós enquanto professores, não devemos nos limitar  a ensinar como as crianças vão operar os computadores, já que isso não “merece” muita atenção, quanto o fato  do correto uso das informações obtidas, lembrando sempre que este não pode substituir o professor.

Diversidade de fontes de informações

         Quanto maior for a diversidade de fontes de informação, mais fácil é se defender da manipulação e mais fácil se torna a busca pela verdade, já que a verdade não é algo dito por uma pessoa vista como detentora da verdade, do conhecimento, mas sim a verdade é algo que se constrói.

         A partir disso, devemos compreender a Internet, não como um lugar com dados em desordem, mas um meio de comunicação entre as pessoas,com mensagens deixadas por elas, para acesso de outras pessoas. A Internet não é como a TV,que você muda de canal,ela exige um trabalho de familiarização, de encontrar a informação, de ir em busca do conhecimento que se procura.
Como avaliar a leitura dos alunos?

Leitura, enquanto trabalho específico na formação do leitor, não se avalia, e sim se acompanha e orienta, já que não é disciplina.Se o professor conhece o desenvolvimento de leitura de cada aluno, basta que ele reserve momentos em que os alunos relatem como foi o seu contato com os livro em um determinado período. A partir desses relatos, o professor terá a história de leitura de cada um, de modo a aprimorar seu trabalho de orientador, que inclui até mesmo a prevenção de um futuro desgosto pela leitura.

         Um dos obstáculos na formação do aluno leitor é a interrupção do trabalho com a leitura, quando o aluno passa para uma outra série, e este professor não lhe leciona mais as aulas.esse é um dos sérios problemas que impedem o desenvolvimento do gosto pela leitura e que se deve à ausência dessa atividade em um projeto curricular. É importante que a escola inclua em seu currículo a leitura seriada: cabe aos professores, juntamente com a equipe pedagógica, traçar um projeto de leitura que comece na série inicial e vai até o último ano escolar do aluno, garantindo assim uma continuidade do trabalho de formação e também das oportunidades de leitura e acesso à livros.

A leitura é uma história sem fim, atrás das pegadas de algo perdido.

A magia não está em achar o que está perdido, e sim persegui-lo pela vida afora.

 

A grande revolução das tecnologias

          1- Hoje em dia, os conhecimentos e informações surgem com uma enorme velocidade, renovando-se constantemente.

         Estamos em constante transformação e isso não somente na tecnologia, mas também nas profissões, daí a importância da reciclagem do profissional, já que hoje em sua formação pode ser novidade, porém amanhã ou daqui a 2 ou 3 anos não mais será.

         2- Inventar novos conhecimentos em nosso trabalho. Aprender cada vez mais, ter uma boa comunicação, colaborando e cooperando sempre.O trabalho é a transação de conhecimentos.

         3- A tecnologia é importante para a relação do conhecimento e a informática, já que estes são suportes de tecnologias intelectuais. A escola não é um lugar de strutura adequada para o bom aproveitamento das tecnologias, pelo fato do alto custo e principalmente pela formação dos professores em relação à utilização dessas tecnologias.
Meus alunos não gostam de ler. E agora?

       Quando se pensa na formação do aluno leitor,a idéia da equipe deve nortear o trabalho.Como este envolve  também o ensino de estratégias de compreensão de texto,precisa fazer parte do projeto curricular da escola.O ensino da leitura é questão da escola, e não de um curso ou de um só professor, geralmente o de Português. A escola não é lugar por excelência da aprendizagem? Para aprender num lugar de tantos professores, é preciso que todos ensinem. A leitura é um dos assuntos a ser ensinado.

         O caminho do gosto ao bom gosto é longo e traçado ao decorrer do processo escolar do educando na instituição.No papel de mentor, o professor faz comentários, observa a trajetória de cada um, sugere e incentiva no uso do livro.

         Esse conjunto de estratégias cria o marketing da leitura na escola e tornar o ato de ler elemento centralizador das demais atividades. Como desejar que os alunos gostem de ler se o livro está ausente na escola e o livro não faz parte da sua vida escolar? Se poucos tocam no assunto e, quando fazem, cobram que o aluno compre um produto que não lhe foi adequadamente oferecido? Ou que apresente os resultados que obteve com um produto imposto, que ele não conseguiu entender e que, portanto, passou a associar com os deveres detestáveis da vida?

         Pense em tudo isso professor!!!
Reclamações valem ouro e são de graça

     Quando alguma parte interessada reclamar de algum processo ou serviço de sua organização, agradeça. A reclamação é uma grande ajuda, especialmente se você usá-la para melhorar. Se as pessoas reclamam com uma freqüência e você corre atrás, deve star melhorandom uito o seu rendimento.E m ais, quem está reclamando, na verdade está me dando outra chance. Não está dispensando meus serviços, não está terminando uma relação. Quem não quer mais, na primeira oportunidade simplesmente o deixa falando sozinho.

     A falta e um negativo não cria um positivo. Você deve ter clareza quanto aos níveis de satisfação e insatisfação dos alunos e das partes interessadas. Pense em satisfação e insatisfação como duas moedas diferentes, não como os dois lados da mesma moeda.Não se pode confundir a falta de reclamação com satisfação.

Trabalhar em grupo # Compartilhar

     Algumas vezes, não é porque as crianças convivem em grupo, que isso significa que elas estejam de fato compartilahndo. E aprender a compartilhar é essencial, quem compartilhar sabe se colocar no lugar do outro, sente identificações e tem prazer em dividir o trabalho e a diversão.

    Propor atividades coletivas é um primeiro passo rumo ao compartilhar. Ex. a classe inteira participa da pintura de um mural; uma vez por semana todos podem trocar os lanches trazidos de casa; o professor coloca guaches e massinhas sobre a mesa para que todos produzam trabalhinhos, etc.

O papel do Professor na socialização...

     Coordenar as relações entre os alunos com sensibilidade também faz parte da função do professor. Saber discernir uma situação ´que se resolverá naturalmente de uma em que é preciso interceder pode ser um desafio. Jeja algumas orientações:

1- Sentir-se excluída uma vez ou outra não constitui um drama para a criança. Mas sempre ser deixada de lado pelos coleguinhas pode lhe trazer sofrimento. Não deixe que um de seus alunos seja isolado repetidamente das brincadeiras. Desmanche panelinhasa se for preciso;

2- O mesmo funciona para ofensas e apelidos, tão comuns nas relações infantis. Deixe claro que não se deve taxar o colega. Questione o ofensor: "VOCÊ GOSTARIA DE SER TRATADO ASSIM?"

3- Intervenha em situações em que prevalece a lei do mais forte. ( Quando um rouba o brinquedo do outro)

Adaptação gradual

     Entre o início da socialização e a prática do compartilhar, há algumas etapas importantes para a intervenção do professor:crianças de 0 a 3 anos...

1- A principal relação da vida da criança é coma mãe, e ela não enxerga os outros ainda;

2- Percebe as outras pessoas, mas ainda tende a se entreter sozinha ou em dupla;

3- Já sente prazer em dividir. Inventa brincadeiras por si mesma, mas tam´bém convida os outros para brincar..."VOCÊ QUER BRINCAR DA MINHA BRINCADEIRA?

4- Começa de fato a compartilhar e se divertir em grupo.

[ ver mensagens anteriores ]

O que é isto?
Visitante número: